Centro Histórico da Cidade do México – uma cidade em cima da cidade em cima de outra cidade

Cheguei à Cidade do México (Mérrico dê-efe ou só dê-efe, como eles chamam) dia 30 de outubro de 2012. A ideia era passar lá o famoso Dia dos Mortos (2 de novembro, assim como o dia de finados), voltar a tempo da festa da padroeira, Nossa Senhora de Guadalupe, dia 12 de dezembro. Para sair do Aeroporto e ir em direção ao Centro, as opções são as seguintes:

  • Metrô – A CM tem metrô a perder de vista, são 15 estações . A 200 m da saída do Terminal 1 tem a estação “Terminal Aerea” (seta preta na foto). Vantagens: O metrô tem uma ótima cobertura, dá pra chegar em vários lugares. São 12 linhas que contam com 195 estações e percorrerm 220 km, e se formos comparar, São Paulo tem 5 linhas com 67 estações que cobrem 78,7 km. Ambas as cidades têm 20 milhões de habitantes. Outra vantagem: é extremamente barato, na época custava algo em torno de R$0,50. Desvantagens: dependendo do horário, o metrô é intransitável – muito lotado, não tem escada rolante na maioria das estações (pra quem tá com mala é péssimo), e tem que andar muito dentro das estações. No metrô você verá cenas muito engraçadas do cotidiano no México: é cheio de gente vendendo coisas lá dentro, desde CDs com “los mejores del Rock de los 70, 80, 90”, a brinquedinhos de criança, comida (como sempre), e pessoas pedindo dinheiro (isso não é engraçado, eu sei). Se você gosta de vivenciar o cotidiano da cidade vai achar divertido; se você não tiver muita paciência, não. Mas lembre-se: isso é a América Latina.
  • Taxi – É mais seguro, não é tão caro (dá uns R$40 até a Zona Rosa/Centro). Tem uma empresa que se chama Transporte Terrestre cujo símbolo é um aviãozinho desenhado no Taxi, fechando um preço com o taxista fica mais em conta. Fora do aeroporto, os taxis da cidade são meio quebrados, e é engraçado que você entra na porta dianteira que não tem uma cadeira rs.
  • Metrobus – Custa 30 pesos (R$5,00) e te leva até o centro em 30 minutos. Eu considerei a melhor opção – são uns ônibus super modernos, bem vazio porque as pessoas acham caro,  mas circulam de 4:30 até meia-noite. Como peguei o Metrobus já cheguei direto na casa da minha querida amiga Greta na Rua do Brasil, Centro, pertinho da Praça principal, o Zócalo. Foi só chegar ao Zócalo e ver o que me esperava: uma praça imensa (a quarta maior do mundo) onde você vê toda a história do México retratada.
Zócalo, Praça das Armas, Praça Principal, Praça Mayor ou Praça do Palácio, tudo a mesma coisa!
Zócalo, Praça das Armas, Praça Principal, Praça Mayor ou Praça do Palácio, tudo a mesma coisa!
SDC10380
Zócalo de dia

Foi primeiramente o Centro Político de Tenochtitlán, capital do Império Asteca, fundada em 1325, representada pela base da pirâmide que sobrou ali, destruída para construir a Catedral que fica ao seu lado. Os Astecas eram um povo muito guerreiro, que vieram do norte do México para se instalar no Vale do México no ano de 1200. Chegaram já matando geral e submetendo os outros povos ao redor à escravidão, justificando isso com sua “superioridade cultural”.

De fato, possuíam um sistema avançado de tratamento de esgoto, de agricultura, eram excelentes matemáticos, astrônomos e navegadores. Quando os espanhóis chegaram, se juntaram a esses outros povos e fizeram a limpa nos Astecas também. Li que o que mais desestabilizou os Astecas foi o fato de os Espanhois chegarem colocando estátuas de santos na frente das pirâmides: para uma etnia que oferecia sacrifícios humanos dos melhores (aquela história de enfiar um cutelo no coração da pessoa e deixar ela rolando pela escadaria da pirâmide) para os deuses, entender que houve um único deus que mandou seu filho (também deus) em sacrifício para os humanos era mucho loca. Enfim, mitologias!

Templo Mayor, sede do Império Asteca
Templo Mayor, sede do Império Asteca. Ao fundo, a Catedral.
SDC10512
Os caras já tinham um sistema de esgoto!!!

Ao lado da Pirâmide há também o Museu do Templo Mayor, que vale muito a pena! Preço: 59 pesos/13 reais (aceita carteirinha de estudante brasileira). A peça principal é o monolito de Coyolxauhqui, a deusa da lua Asteca, que representa seu corpo desmembrado, já que seu irmão arrancou sua cabeça para formar a lua quando ela e seus irmãos – que são estrelas – planejavam matar sua mãe que pegou um outro deus (família estável, tradicional e simpática, né).

Monolito de Coyolxauhqui (nunca consegui pronunciar esse nome). Pesa 8 toneladas e foi encontrado na década de 70 quando faziam os trabalhos de escavação no metrô
Monolito de Coyolxauhqui (nunca consegui pronunciar esse nome). Pesa 8 toneladas e foi encontrado na década de 70 quando faziam os trabalhos de escavação no metrô

SDC10522             SDC10527

A Catedral também é muito bonita, e é engraçada porque é toda reclinada. Como a CM foi construída em cima de um lago, ela está cedendo, e em alguns prédios você entra já no segundo andar, o primeiro e o térreo viraram subterrâneos rs. O desafio é andar reto na catedral, literalmente tombada! Entrada gratuita.

SDC10328
Teto da catedral
SDC10500
Vista da catedral à noite

Como a pirâmide era imensa e em camadas, sobrou pedra até para construir o Palácio Nacional, junto com as pedras do já existente palácio Asteca (Monctezuma II). Vale a pena ir nos dias 15 e 16 de setembro, quando dão o grito da Independência. Mas se não der, tudo bem. Só o mural do Diogo Riveira, que retrata toda a história do país já vale a pena a viagem até o México. Entrada gratuita.

Pedaço do mural do Diego Rivera, feito entre 1930 e 1951
Pedaço do mural do Diego Rivera História do México, feito entre 1930 e 1951

Saindo do Zócalo, uma única recomendação para o Centro da CM: pode se perder à vontade. É cheio de construções históricas muito bonitas, museus, lojas para quem quer comprar coisas, artistas de ruas, cafés charmosos e bons (os mexicanos não param de comer), cheiros e sabores de comida de rua.

SDC10346SDC10359

Atenção principalmente para isso, a higiene não é das maiores para quem está acostumado com Brasil. Ver a pessoa lavar a mão suja numa bacia que se usa para fazer água não é raro. E claro, quem pega dinheiro é a mesma pessoa que cozinha. Confesso que passei mal na primeira semana, mas no final já estava adaptado e comendo os frijoles (feijão frito) no café da manhã como um bom local.

Suco de tamarindo que parece com limão e tem gosto de groselha
Suco de tamarindo que parece com limão e tem gosto de groselha
“Quando eu canto, os que me escutam sentem. E choram porque ainda são capazes de sentir, apesar de todos os males do mundo”. Caminhando pelo centro perto do Dia dos Mortos, você vê as homenagens aos mexicanos famosos que faleceram no ano. Em 2012 foi a vez de se despedir da linda Chavela Vargas. Para quem não conhece: https://www.youtube.com/watch?v=buqzGQkQ5Io

Aí vão alguns lugares que gostei:

Museu Bellas Artes – A arquitetura por si só já é muito impressionante, com a praça bem bonita na frente. Fica pertinho do Zócalo, e sempre tem programações muito boas de teatro, óperas, orquestras e exposições temporárias. Foi nesse museu que conheci a história dos muralistas – Diego Rivera (esposo da Frida Kahlo), David Alfaro Siqueiros (que tentou matar o Trotsky, vizinho do Rivera), Orozco e Rufino Tamayo, dentre outros. O movimento começou a bombar na década de 20 e é caracterizado por murais imensos que em geral são muito politizados, retratam a história do México e eram feitos para o povo.

Museo de Bellas Artes
Museo de Bellas Artes
OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Museu de Bellas Artes com a Torre Mayor ao fundo
SDC10377
Dentro do Bellas Artes

Palácio da Secretaria de Educação Pública – Pode parecer estranho, mas vale a pena pelas obras lá expostas, principalmente o mural do Diego Rivera, fica atrás do Zócalo. Entrada gratuita.

Mirador Torre Latino – É um mirante o primeiro arranha-céus do México, e foi uma das poucas construções que permaneceu de pé depois do terremoto de 1985. Vale a pena ir para ver o pôr do sol, é muito bonito! Entrada: 50 pesos/R$10,00

Pôr do sol do mirante da Torre Latina
Pôr do sol do mirante da Torre Latina

Sanborn´s de los Azulejos – É uma loja que vende de tudo, e em cima tem um café bom e não muito caro. À noite por vezes fica um cantor na sacada, e é legal vê-lo da rua.

Sanborn´s de los Azulejos
Sanborn´s de los Azulejos

Monumento a la Revolución – um pouquinho mais afastado, mas é um arco suntuoso que vale a visita. A Revolução Mexicana (20 de novembro de 1910) é considerada o acontecimento político mais importante do México no século XX. Desde 1896 Porfírio Diaz havia se tornado um ditador no México com eleições fraudadas e manutenção da aristocracia. Suas leis a favor da propriedade privada tomou terras das populações tradicionais, escravizando-os e fez com que 1% da população mexicana fosse dona de 90% das terras férteis no país. Em 1910, com a revolução que tomou todo o país e matou 2 milhões de pessoas, foram realizadas eleições, de onde saiu vitorioso Francisco Madero. Como seu governo falhou com os ideais da revolução e não promoveu a Reforma Agrária, Madero foi assassinado, gerando nova instabilidade que terminou em 1917 com a progressista Consituição Mexicana, que serviu de molde, inclusive, para a brasileira. Entrada: 24 pesos/R$5,00

OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Monumento à Revolução Mexicana

Café Tacuba – tradicional café no centro, não deixe de comer…tudo, porque tudo é bom. Dicas quando à comida:

  • Vegetarianos sofrem um pouco no México em geral, mas os cogumelos e a palma (Nopal) são muito bons! Dá pra pedir os tacos, nachos, guacamole, tortillas e burritos sem carne e são muito bons;
  • Tome cuidado: é muito fácil passar mal;
  • Tome cuidado (2): peça tudo SEM pimenta à princípio. De qualquer maneira vai vir com pimenta (acho que comeram tanta a vida inteira que nem percebem mais o gosto), com o tempo você vai entendendo quais você pode comer sem pegar fogo.
  • Quem não gosta de coisas feitas de milho: não vá à CM rs. Brincadeira, mas a opção fica bem reduzida.
  • Coma muito!

Museu Nacional de Arte – conta com oficinas, visitas guiadas, excursões de fotografia. Funciona de terça a domingo, das 10 às 18. Preço 42 pesos/R$8,00

OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Museu Nacional de Arte

E boa viagem!

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s